Escolha uma Página

O Agronegócio mundial vai precisar produzir 200 milhões de toneladas de carnes a mais nos próximos 35 anos para dar conta de alimentar uma população de dez bilhões de habitantes em 2050. Grande parte desse volume de proteínas vai sair de granjas e fazendas da América do Sul, notadamente do Brasil. E as empresas e entidades do país ligadas às cadeias de carne bovina, de frango e suína vão desempenhar um papel vital neste novo contexto econômico.

A BeefExpo & II Congresso Latino Americano de Pecuária de corte, o maior evento do segmento no continente, que vai ser realizado de 14 a 16 de junho, em São Paulo, vai promover um encontro inédito na Pecuária brasileira. Um fórum com os CEO’s das corporações que vão alimentar o mundo no futuro. Juntos, eles vão debater temas como novas tecnologias, capacidade produtiva, exigências do consumidor, urbanização, novos produtos, exportações e como as três principais carnes interferem e interagem para a formação de preços, estoques e comercialização das proteínas. O painel “CEO’s e o Mercado Global de Proteínas” começa às duas da tarde do dia 14, e vai contar com a presença de Martin Secco, Diretor-Presidente do Marfrig Global Foods; Paulo Hermman, presidente da John Deere no Brasil; Renato Costa, CEO da Friboi (JBS), e o presidente da Associação Brasileira da Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra.

Os executivos comandam grupos que fazem do Brasil o maior exportador de carne de frango do planeta, com 3,4 milhões de toneladas em 2015, o campeão em vendas externas de carne bovina, com 1,6 milhão no ano passado, e o quarto maior fornecedor mundial de carne suína, com 550 mil toneladas. Números que devem crescer 40% até 2050, segundo todos os especialistas, fazendo do país um fator decisivo para manter a paz mundial por meio da garantia de abastecimento de carnes para nutrição da população. No ano passado, a cadeia produtiva de proteína animal internacional foi responsável por 118,4 milhões de toneladas de carne suína, 112 milhões de toneladas de carne de aves e outras 68,1 milhões de toneladas de carne bovina. Mas é pouco para o futuro. O planeta vai assistir a um acréscimo de três bilhões de pessoas na população, gente que vai demandar ao menos duzentas milhões de toneladas de carnes por ano a partir de 2050. “Temos que pensar a cadeia produtiva de proteínas do Brasil como um segmento só. O Brasil vai ser um ator mais efetivo do comércio internacional se entender o fluxo de exportação, preços e demandas como um todo. Por isto a ideia de juntarmos quem comanda estes processos para discutir ações conjuntas, dentro de uma política sólida e aglutinativa de inserção no comércio internacional de alimentos”, justificou a Diretora da Safeway, empresa organizadora do evento, Flávia Roppa, que idealizou a concepção origjnal do Programa oficial da BeefExpo 2016.

A BeefExpo 2016 & II Congresso Latino Americano de Pecuária de corte é o maior evento in door do setor em toda a América Latina. E vai reunir produtores, professores, pesquisadores, estudantes e representantes de empresas do segmento do mundo todo. Até o dia 3 de junho, o preço da inscrição vai ser de R$ 475,00, o que garante um desconto de R$ 225,00, ou 32% sobre o valor que o congressista vai pagar durante os três dias do evento, que é de R$ 700,00. Esta é a última etapa para garantir presença com antecedência e acompanhar as inúmeras atrações: Congressos Beef Management e Beef 360º, Feira de Negócios, Prêmio BeefWorld, Melhores do Ano da Pecuária de Corte, Julgamento de Gado de Elite, quatro Leilões, Exposição de Animais, Curso de Dry Aged, Curso de Avaliação e Padronização de Carcaças, palestra final do Rally da Pecuária, edição especial da Churrascada e muito mais.